Navegante por esses mares...Caravelas....


Passará (clique aqui e escute enquanto lê) Passera Il Divo

Navegantes em caravelas, por esses mares ....
Ondas/ Mar/ Turbulência/ Desejos / Sonhos/ Amores

La vai a caravela, ela partiu, agora já não tem volta, já vai longe, toca o horizonte e o eterno. Vai barco dos sonhos, não se deixe abater pela turbulência da vida, pelas ondas mal formadas, pelas tempestades dos caminhos, pelos tubarões que te devoram. Continua firme nesse caminho, caminho este tão difícil de navegar... Vai pro infinito, vai embora por esses mares... mares estes tão solitários... às vezes encontrarás dores, outras vezes, amores, outras vezes fantasias... não se iluda, não se abata... levanta as tuas velas...

Conquistando novos ares, e novos mares.. solidão...
A era do descobrimento

Teu casco, às vezes abatido, se impõe nesse mar tão bravo, cruza as fronteiras desses países, dessas nações... Conheça povos, conheça amores, conheça as dores... e continue a navegar por esses mares...

Vai caravela dos sonhos


Levar-me para além do infinito...

O que esses versos mal escritos sobre caravelas e mares têm a ver com a minha vida? Quais são essas turbulências? Essas dores? Esses amores? Sigo aqui por esses mares, acreditando que tudo ainda é possível, que novas ondas virão, mas também momentos de calmaria... sigo aqui por essas ondas, lançando minhas velas ao vento, acreditando que todos esses amores e dores, a farão mais forte e mais imponentes. Sigo aqui por essas terras, conhecendo vidas... Algumas cruzam por esse mar sem ao menos deixar um rastro, outras, tão importantes, vão embora e deixam cicatrizes... outras, deixam recordações.. saudades...

Outras apenas ficam... e estão ai... e por essas vivo, e por essas dedico essas poucas palavras que se constroem na eternidade, que ficarão no entendido, para quem pode entender...aquilo que não pode ser compreendido.



Ainda acredito na Fé. Ainda acredito nas velas...



Essas turbulências não são nada... só me fazem mais forte... só me fazem mais caravela... imponente.. que chega nesses novos ares, sem viver as adversidades...

Vai caravela... continua a navegar por esses mares...


Como não lembrar de Fernando pessoa quem eternizou as caravelas da vida através dessas bem elaboradas palavras....



"Navegar é preciso; viver não é preciso".


Quero para mim o espírito [d]esta frase,


transformada a forma para a casar como eu sou:


Viver não é necessário; o que é necessário é criar.


Não conto gozar a minha vida; nem em gozá-la penso.


Só quero torná-la grande,


ainda que para isso tenha de ser o meu corpo e a (minha alma) a lenha desse fogo.



E como não terminar com esses versos, que sussurram ao meu ouvido como uma poesia delicada



Passerà primo poi


Questo piccolo dolore che c'è in te


Che c'è in me, che c'è in noi


E ci fa sentire come marinai


In balia del vento e della nostalgia


A cantare una canzone che no sai


Come fa


Ma quel piccolo dolore che sia odio, o che sia amore


Passerà



Passará antes ou depois


Esta pequena dor que existe em você


Que existe em mim, que existe em nós


E nos faz sentir como marinheiros


Em poder do vento e da saudade


A cantar uma canção que não sabes


Como faz


Mas aquela pequena dor, que seja ódio, ou que seja amor


Passará (clique aqui) Passera Il Divo

Comentários

  1. Guiamos a caravela mas tb somos refém do vento, pois n podemos determinar p/ onde ele sopra ;)

    ResponderExcluir
  2. "Cada um de nós compõe a própria história e cada ser em si carrega o dom de ser capaz e ser feliz" (Almir Sater)
    Essa música é um dos hinos de minha vida! Suas caravelas não ficam a deriva, nem o Barqueiro (sabe quem é o barqueiro? rsrsrs)aceitaria as tuas moedas se o hino acima não for cumprido!
    Parabéns pela escrita!
    Adriano

    ResponderExcluir
  3. Carol, fiquei sem folego, intenso demais, atordoante, impossivel não ser impactado pelas palavras,impossivel não ser removido de onde está, impossível não DESENCALHAR a Caravela.
    Você arrasta cada um de nós com suas histórias, com risos e prantos, sonhos e perenidades da alma, através disso que escreveu. Certamente muita influência das vivências, alias elas são o material com que construiu tudo isso a identificação, a forte identificação, com a história, com a entrega que fez de si mesma, com o sacrificio de si mesma. Sacrificio no altar do amor, voluntário, em ardentes chamas que aquecem e podem queimar, chamas que purificam e podem fazer cinzas, que iluminam... Amei, Parabéns!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O ciclo das rosas