A trama da vida e suas histórias..

As minhas palavras são minha arte... e com elas expresso minha verdade. Mas minha verdade não é a verdade da vida, é apenas a verdade que aprendi a viver. E assim começo o que aconteceu nesses dias de reflexão....

Pois o tempo de Deus nunca é igual ao nosso tempo.. e isso foi o que aconteceu durante essa semana, por algumas vezes essa dúvida veio a minha cabeça e pensei muito à respeito disso, até que decidi simplesmente deixar. E eu acho que as coisas fluem quando tem que fluir.. nada é casual na trama da vida e com o tempo chegamos a entender cada uma das coisas que acontecem nessa história (às vezes o tempo parece eterno, mas se esperar, as respostas chegam).

Por muitas vezes quis controlar, muitas vezes não deixei acontecer. Por outras tantas, me desesperei..... não respeitei o tempo correto das coisas. Tentei forçar o acontecimento, tentei instigar que ele acontecesse do jeito que eu achava que deveria acontecer. Mas... não funciona assim, as historias tem seus inicios, meios e fins.

E lembrei quantas vezes isso aconteceu na minha vida, por quantas vezes ansiei que algo acontecesse do meu jeito. E o que mudou? Absolutamente tudo. Mudou que a ânsia por algo, não me fazia viver o caminho.

E vivendo assim, tudo parecia eterno.

Ai algo nasceu dentro de mim, uma vontade de acreditar lá no fundo da minha alma que tudo, exatamente tudo acontecia como numa obra de arte. Tudo motivado por algo, e “algos” às vezes não tão bem explicados... mas que mísera capacidade teria para entender coisas que não estava preparada para entender. Por isso que tudo a seu tempo! Nem antes, nem depois.

E assim, passei a deixar fluir o rio, com águas, às vezes calma, às vezes turva, às vezes, fluida. Embora queira um pouco de tudo mais, a vida tem me ensinado que tudo a seu tempo, exatamente como numa peça de teatro, que começa quando acendem as luzes do palco e termina quando somente o ultimo artista vai embora.

Assim tão simples como tudo tem que ser.

"Você pode até me empurrar de um penhasco que eu vou dizer: - E daí? Eu adoro voar!
Não me dêem fórmulas certas, por que eu não espero acertar sempre. Não me mostrem o que esperam de mim, por que vou seguir meu coração. Não me façam ser quem não sou. Não me convidem a ser igual, por que sinceramente sou diferente. Não sei amar pela metade. Não sei viver de mentira. Não sei voar de pés no chão. Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra sempre."
Clarice Lispector



Comentários

  1. " a ânsia por algo, não me fazia viver o caminho." Muito interessante. E aí depois de um tempo (o tempo da vida, não o nosso), cai a nossa 'ficha' e a gente solta aquele: "aaaahhhhhhh, agora eu entendi". ;)

    ResponderExcluir
  2. Às vezes o destino abre novas possibilidades através de pessoas que, embora não tenham nada a ver conosco, de alguma forma nos faz sentir bem e então sonhamos acordados na esperança de que esta pessoa mude, mas o tempo é implacável e duro, acho que quanto mais velhos ficamos, mais imutáveis somos, aí estas pessoas passam a ser instrumentos para podermos reprogramar nossa vida... e novamente buscamos algo maior que nos faça sentir vivos novamente, com a doce capacidade de amar e de ser amado, mas o destino nos prega uma peça e coloca 2 pessoas, que embora antagônicas, são igualmente queridas e temos que optar por uma delas, mas a outra se faz presente em pensamentos dioturnos e novamente nos faz sofrer, saudades Carol...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O ciclo das rosas

Navegante por esses mares...Caravelas....